SEMTCAS desenvolve campanha socioeducativa de combate à violência sexual contra crianças e adolescen

 

A exploração sexual crianças é uma das piores e mais perversas formas de violação aos Direitos Humanos. 

A violência sexual  contra crianças e adolescentes, principalmente entre crianças até 9 anos de idade,  é o segundo principal tipo de violência, ficando pouco atrás apenas para as notificações de negligência e abandono. Pesquisa feita pelo Ministério da Saúde mostra que, em 2012, foram registrados 14.625 notificações de violência doméstica, sexual, física e outras agressões contra crianças menores de dez anos.

Neste sentido, a Secretaria Municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social – SEMTCAS, desenvolverá,  no período de 05 à 15.05 campanha de enfrentamento a violência sexual de crianças e adolescentes. O objetivo dessa campanha é sensibilizar a população a cerca desta problemática e proteger crianças e adolescentes contra a violência sexual, trabalho infantil, entre outros tipos de violação.

De acordo com a secretária da SEMTCAS, Marineusa Meneses, "devemos fomentar essa discussão, bem como promover atividades que venham chamar a atenção para que se rompa o ciclo de violência e os casos sejam denunciados, e com isso cada vez mais crianças e adolescentes não tenham os direitos violados".

O 18 de maio é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual infanto-juvenil. A data, instituída em 2000 pela Lei 9.970, faz alusão a um crime ocorrido há 40 anos, no Espírito Santo, quando Araceli Cabrera, então com 8 anos, foi violentada e assassinada e os criminosos continuaram impunes. Muita gente acompanhou o desenrolar do caso, desde o momento em que Araceli entrou no carro dos assassinos até o aparecimento de seu corpo, desfigurado por ácido, em uma movimentada rua da cidade de Vitória. Poucos, entretanto, foram capazes de denunciar o acontecido. O silêncio da sociedade capixaba acabaria por decretar a impunidade dos criminosos.